Perguntas mais frequentes

Não existem despachantes/advogados credenciados junto ao Consulado.  Devido a problemas verificados, não se aconselha que os utentes recorram a intermediários.

É equivalente ao Cadastro de Pessoa Física (CPF) brasileiro. Um cidadão não residente (em Portugal) para obtê-lo, precisa ser representado por um cidadão residente em Portugal, que irá apresentar o pedido nas Repartições de Finanças (ou nas Lojas do Cidadão) e receber o Número Fiscal de Contribuinte. O pedido não pode ser feito através do Consulado. Para maiores informações contacte www.min-financas.pt ou ainda o site das Lojas do Cidadão.

Os cidadãos brasileiros podem estar isentos desta necessidade, por um período de 90 dias, sob certas circunstâncias. Para saber quais são estas circunstâncias e quais os documentos necessários, clique aqui.

Não, os procedimentos de pedidos de visto continuam os mesmos e podem ser consultados em nosso site (clique aqui). O acordo apenas procura regularizar a situação dos brasileiros que estavam ilegais em Portugal até 11 de Julho de 2003. Para maiores informações sugerimos que acesse www.sef.pt ou no site da Casa do Brasil em Lisboa

Sim. Será recusada a entrada em território português aos estrangeiros que não reúnam cumulativamente os requisitos previstos na lei.
O visto de entrada habilita o seu titular a apresentar-se num posto de fronteira e a solicitar a entrada no país, devendo, por conseguinte, ser portador de um visto válido e adequado à finalidade da deslocação.
A fim de comprovar o objectivo e condições da estadia, poderá ser solicitado ao cidadão estrangeiro a apresentação dos documentos necessários para o efeito.

Deve dar entrada no pedido de visto, mas somente depois de decorridos dois anos da expulsão (clique aqui).

Os familiares brasileiros do solicitante do visto principal, não necessitam solicitar visto para acompanhá-lo. Caso seja autorizado o visto principal, os seus familiares brasileiros, deverão regularizar a sua situação junto ao SEF – Serviço de Estrangeiros e Fronteiras – logo que cheguem a Portugal. Esses familiares deverão estar devidamente documentados inclusive com o Seguro Saúde.

Nos casos em que os familiares do solicitante do visto principal sejam de uma nacionalidade que exija visto para entrar em Portugal, após a autorização do visto principal, devem aqui solicitar um visto de curta duração.(clique aqui para saber mais)

Não, até o momento não fomos oficialmente informados de que sejam necessárias vacinas para passageiros brasileiros, embarcados no Brasil.

Os países que fazem parte da Comunidade Europeia (para saber quais são, clique aqui)

Para saber quais os Estados que fazem parte do Acordo de Schengen, clique aqui.

Para obter o atestado de antecedentes criminais emitido pela Polícia Federal, acesse o site www.dpf.gov.br.

Lembre-se que a data de emissão do atestado deve ser inferior a 90 dias em relação à data da apresentação do documento. Do contrário o processo será devolvido.

As fotografias do passaporte e do Cartão do Cidadão são tiradas em uma máquina própria no Consulado, no entanto pedimos uma foto 3X4 a mais para atualizar a inscrição consular.

Os novos passaportes electrónicos portugueses (PEP), que passaram a ser emitidos com fotografia impressa a laser, contém um chip com os dados do titular que pode ser lido nas fronteiras dos países.

Tanto este modelo (PEP) é aceites sem visto para turismo nos EUA. No entanto, é necessário preencher um formulário (“ESTA”) através do site https://esta.cbp.dhs.gov, sem o qual não poderá desembarcar nos EUA.

Para sua comodidade, os documentos emitidos neste Consulado Geral são sempre enviados pelo correio ou por entrega expressa, não havendo necessidade de vir retirá-los e assim evitam-se filas.

Para pedir o passaporte irá precisar de Bilhete de Identidade, ou Cartão do Cidadão, válido. Se não o tiver deverá pedi-lo (clique aqui) .

Caso tenha o Bilhete de Identidade/Cartão do Cidadão válido, clique aqui.

Para obter informações sobre como requerer o Cartão do Cidadão sugerimos que consulte o nosso site,clicando aqui.

ATENÇÃO: Caso o estado civil actual seja diferente do que consta em sua certidão de nascimento, deverá actualizá-la para requerer o Cartão do Cidadão (transcrever o casamento, por exemplo – ver no site).

O Nome do requerente no Cartão do Cidadão sai sempre conforme o que consta no assento de nascimento português. Por isso, se for mulher (por exemplo) e tiver se divorciado, enquanto não homologar o divórcio em Portugal, continuará a ter seus documentos emitidos com o nome de casada.

Infelizmente os Consulados não podem proceder a averbação dos divórcios e separações, para saber como proceder nestes casos clique aqui.

O Nome do requerente no Cartão do Cidadão sai sempre conforme o que consta no assento de nascimento português. Por isso, se for mulher (por exemplo) e tiver se divorciado, enquanto não homologar o divórcio em Portugal, continuará tendo seus documentos emitidos com o nome de casada.

A nacionalidade portuguesa pode ser atribuída a todos os filhos de português (pai ou mãe) nascido em Portugal ou que embora já nascido no Brasil tenha obtido antes de falecer a nacionalidade portuguesa pela mesma via porque também era filho (ou filha) de português (pai ou mãe). Clique aqui para maiores informações.

Se os pais tiverem se casado, é necessário que este esteja averbado na certidão de nascimento dos pais. Se não estiver providencie a transcrição desse casamento (clique aqui para saber como fazer a transcrição).
Os netos também têm o direito a solicitar, mas por outro método. Veja mais abaixo.

Sim, continua podendo pedir a nacionalidade portuguesa. Neste caso, antes de dar entrada no seu pedido de nacionalidade, deve transcrever óbito de seu pai (ou mãe). Para saber como fazer a transcrição, clique aqui. Para ver informações sobre a nacionalidade, clique aqui.

Os brasileiros netos de português (ou portuguesa) mas cujo pai (ou mãe) faleceu sem obter a nacionalidade portuguesa a que tinha direito, também podem pedir a sua nacionalidade. Se é este o seu caso clique aqui.

Se o pai se naturalizou antes de Outubro de 1981, ele perdeu a nacionalidade portuguesa e só poderá passar a nacionalidade portuguesa aos filhos que tiverem nascido antes da naturalização brasileira.

Se naturalizou-se após esta data mantém as duas nacionalidades e pode passar o direito aos filhos.

Por outro lado, a legislação mudou recentemente, podendo seu pai (ou mãe) readquirir a nacionalidade portuguesa (clique aqui), e voltar a poder passar a nacionalidade para seus filhos.

Não pode haver divergências de nomes nas certidões, e que os nomes correctos dos cidadãos portugueses, são os que constam nas certidões Portuguesas. Se houver divergências de nomes, o processo será indeferido pela Conservatória. Logo corrija as divergências antes de nos enviar o seu pedido.

Caso precise rectificá-las, precisará entrar com processo em tribunal, e para isso comece procurando o respectivo cartório, pois eles lhe informarão como proceder.

Sim, faz diferença. Os documentos precisam estar válidos quando da entrada do pedido nos sistemas referentes ao pedido em questão, e não apenas na data da formulação do pedido em nosso site. O mesmo acontece com a faixa etária do requerente.

Ou seja, se pretende dar entrada no seu passaporte, irá precisar que seu cartão do cidadão esteja dentro da validade na data que tiver agendado a sua visita ao Consulado. Não basta fazer o pedido e pagar o boleto antes do vencimento. Caso isto ocorra, precisará renovar o cartão do cidadão antes de fazer o passaporte.

Outro exemplo. Suponhamos que seu filho vá fazer 18 anos daqui há alguns dias, e está formulando o seu pedido hoje. Como o processo leva algum tempo para ser concluído, pode ocorrer de que na data em que for executado, seu filho já seja maior de idade. Caso isto o ocorra, teremos que inserir o pedido como sendo maior de idade.

A situação implica que serão alterados os documentos a ser apresentados e principalmente os valores.

Por isso, se os documentos estão próximos do término da validade, faça seu pedido já prevendo que eles podem estar vencidos na data da execução do pedido.

As procurações podem tanto ser feitas em Tabelião (no Brasil) como feitas pelo Consulado.

As que são feitas no Tabelião deverão ser apostilhadas nos Cartórios (clique aqui para saber como apostilhar sua procuração).

Para fazer uma procuração no Consulado, clique aqui.

O documento português deve ser apostilhado em Portugal, normalmente nas Conservatórias ou na Procuradoria Geral em Portugal.

Para mais informações sugerimos clique aqui.

Não. O facto de entregar a certidão de nascimento brasileira no cartório quando se casa, não significa que essa certidão foi destruída e substituída pela de casamento. A certidão de nascimento continua existindo, e, para obtê-la, basta pedir uma segunda via no cartório onde foi registado(a) quando nasceu.

Nos casos de pedidos de Visto, o utente precisa comparecer uma vez ao Consulado. Essa convocação pode ser para uma entrevista inicial como pode ser apenas no final do processo, 30 dias depois de termos analisado o processo, já para a retirada da vinheta (se o processo tiver sido deferido). O prazo acima é um prazo médio, pode ser que seja liberado antes como também pode ser necessário um prazo maior. Nos casos de visto de residência esse prazo é de 90 dias. Por isso, aguarde o nosso contacto.

Para o Cartão do Cidadão o utente é faz duas visitas ao Consulado. A primeira para a recolha dos dados biométricos, e agendar a segunda visita 20 dias úteis depois (desde que tenha solicitado o cartão com urgência) para retirar o Cartão e colher os dados biométricos para o passaporte, se for o caso e se tiver pago o respectivo boleto.

Passaporte (com urgência) chega ao Consulado, em média a partir do 4º dia útil após a verificação presencial de identidade (para o passaporte), sendo necessário mais três a cinco dias (úteis) para ser entregue em sua casa.

O sem urgência chega em sua casa entre 10 e 15 dias úteis em média.

Como para ter o passaporte, o utente precisa ter o Cartão do Cidadão, caso não tenha este último, somando os prazos dos dois documentos, serão necessários no mínimo 30 dias úteis para receber o Passaporte após o primeiro agendamento. Assim sendo, relembramos mais uma vez para não comprar passagens sem que esteja com o passaporte em mãos.

Contudo, caso não tenha urgência no seu processo e prefira que o mesmo seja executado com taxas menores, ainda que para isso os prazos sejam maiores, bastará, ao consultar as informações respectivas, escolher a modalidade “sem urgência”. Neste caso, não há previsão alguma quanto ao prazo da chegada do cartão.

 Atenção os prazos de urgência, aplicam-se apenas para a emissão do Cartão do Cidadão e do Passaporte, e começam a contar somente após a visita ao Consulado para a respectiva recolha dos dados biométricos (fotografia, impressões digitais e assinatura).

Nos casos de Transcrições de Casamento ou Óbito, o utente é contactado em média, em 30 dias úteis depois de recebida a documentação completa do utente.

Nos casos de transcrições em que o nascimento do titular ocorreu há mais de 100 anos, não temos como prever o tempo necessário para que os Arquivos Distritais localizem e enviem o respectivo assento de nascimento, o que torna o processo mais demorado.

Nos casos de Nacionalidade, o utente era contactado em média, em até 15 dias úteis depois de recebida a documentação completa do utente. No entanto, estão a registar-se atrasos nas integrações dos processos de nacionalidade por parte da Conservatória dos Registos Centrais em Lisboa, a que somos alheios. Por esse motivo, os requerentes de nacionalidade somente têm sido contactados depois de oito meses (em média) após recebermos o processo, informando da integração do processo. Só após esse contato é que o utente poderá vir ao Consulado colher os dados biométricos para o Cartão do Cidadão, e 20 dias depois, para o retirarem e colherem os dados biométricos do passaporte, desde que tenham pago as respectivas taxas. Pedimos a compreensão dos requerentes de aguardarem esse contacto pois infelizmente não temos como agilizar essas integrações.

Vale ainda lembrar que os prazos acima são calculados com base na média dos processos executados, por isso podem variar. No entanto, podem ocorrer demoras adicionais por diversos motivos sobre os quais o Consulado não tem controle , pelo que não pode ser responsabilizado.

Apenas como exemplo podemos citar alguns desses motivos:

- uma Conservatória que demore mais para localizar, enviar, ou informatizar, as certidões necessárias;
- um pedido de esclarecimentos (ou diligências) ou de mais documentos solicitados pela Conservatória dos Registos Centrais;
- um notário novo que ainda não nos tenha enviado o devido sinal público;
- um repentino aumento do volume de pedidos;
- um requerimento com informações incompletas ou incorrectas;
- um telefone de contacto no qual o requerente não seja localizado com facilidade;
- atrasos na emissão do Cartão do Cidadão ou do Passaporte por parte da Casa da Moeda;
- falhas técnicas nos programas de emissão de documentos;
- greves nas empresas aéreas ou terrestres envolvidas no envio dos documentos;
- acidentes, naturais ou não, com o transporte dos documentos.

Se mesmo após consultar a lista acima continua com dúvidas, basta enviar um email para o setor .